Capitão América: Guerra Civil


Esse texto pode conter spoiler

Ontem foi a estreia de Capitão América: Guerra Civil. O Reuber adora filmes de heróis e sempre quer assistir nos primeiros dias. E lá fomos nós. O cinema estava lotado e tinha um Homem de Ferro e um Homem Aranha pra animar e tirar fotos com as pessoas.



Eu já assisti alguns filmes de heróis, mas não sou expert, nem suuuper fã. Eu gosto, em especial do Homem de Ferro e do Homem-Aranha, então não me julguem pelas minhas impressões sobre o filme! rs Essa é a opinião de uma simples mortal.

A história é a seguinte: o governo americano acha que os vingadores, apesar de ajudar a população e salvar vidas, têm feito muito estrago mundo afora durante suas missões. Então, um tratado com assinatura de 117 países propõe que eles trabalhem apenas seguindo orientações da ONU.

Tony Stark, apesar de chateado, concorda com esse acordo - o que me deixou surpresa, já que achei que ele seria o "do contra", - mas o Capitão América é totalmente contra, e vai lutar com todas as suas forças pra impedir isso. Ou seja: os dois entram em conflito e começa a tal guerra civil.

Agora dois pontos sobre o filme:

- É muito herói pra um filme só. Começou a aparecer personagem que eu já nem sabia quem era, de onde vinha e o que tava fazendo ali. Estão na história a Feiticeira Escarlate, Gavião, Falcão, Homem-Formiga, Viúva Negra, Máquina de Combate, Visão, Pantera Negra e Homem-Aranha.

- Resgataram um Homem-Aranha que caiu de para-quedas: um garoto que aparenta ter 12 anos. A tia May é uma moça jovem que não tem nada a ver com a história do personagem. Pra quem assistiu e acompanhou a história do Homem Aranha, é meio decepcionante.

É um filme legal de assistir, pois tem muita ação, efeitos especiais, aquela coisa toda dos filmes da Marvel que conseguem encantar os espectadores. Mas pra mim, não foi um filme uau. Pra quem gosta dos quadrinhos, é um prato cheio. Mas tem que ter um pouquinho de paciência, são quase 2h30 de filme.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Roteiros gastronômicos em Floripa

A intolerância no trânsito de São Paulo