Roteiros gastronômicos em Floripa

Santo Antônio de Lisboa faz parte da Rota Gastronômica do Sol Poente, que conta ainda com Sambaqui e Cacupé. Não precisa nem falar que não faltam por aqui restaurantes e muita comida boa pra se deliciar. Fora Santo Antônio, passei apenas por Sambaqui, mas não cheguei a conhecer os restaurantes.

E com esse frio,
comer foi o programa preferido por aqui nessas férias. Tenho duas dicas bacanas pra quem passar por aqui e puder aproveitar. A terceira não é de Santo Antônio, é do bairro de Trindade.


Spaghetteria Santo Antonio

Este restaurante é aquele onde tomamos café à tarde. Mas à noite, além dele são servidos diversos tipos de espaguetes, todos batizados com nomes de santos. A maioria é feita à base de camarão. Mas, pra quem não gosta ou não pode (tem alergia, assim como o namorido), tem outros tipos tão gostosos quanto.

Eu fui de
“à Nossa Senhora dos Navegantes”, com cogumelos, bacon, cebola, alho, ervas, arrematados com vinho branco. Meu namorado escolheu “à São Pedro”: tiras de filé, champignon, mostarda em grãos, gengibre e alho. Ambos muito saborosos e bem temperados.

O carro-chefe da casa é o espaguete
“à Santo Antônio”, que tem como base o camarão flambado no conhaque complementado por manteiga, nata, alho, pimenta calabresa e ervas. Os preços dos pratos individuais variam de R$ 28 a R$ 35, e não tem meia porção (comento porque sempre que tem, eu peço, já que nunca consigo comer a porção toda).

Todos podem ser acompanhados por um bom vinhozinho que combina muito com o prato e ajuda a esquentar durante o inverno. Pra finalizar, pedi minha sobremesa favorita:
Petit Gateaut.


Bar Restaurante Freguesia

Quem passa pela rua da praia (que lembra muito a Rua das Pedras, em Búzios) sem prestar muita atenção, pode deixar este lugar passar despercebido. Como eu já estava com as dicas certas, fui direto ao ponto.

De frente para o mar
, conta com um deck onde são espalhadas mesinhas perfeitas para tomar uma cerveja observando o pôr-do-sol. Chegamos para o almoço, por volta de três da tarde, e as mesas de fora já estavam todas ocupadas. Mesmo com o lugar bombando, conseguimos uma mesa lá dentro com uma boa vista do mar também.

A especialidade da casa são os pratos com
ostras (aliás, aqui é a terra das ostras. Florianópolis é responsável por 80% da produção do Brasil. As condições aqui são favoráveis: enquanto em qualquer lugar do mundo elas demoram quatro anos para maturar, aqui elas ficam “prontas” em apenas seis meses. Estudiosos de diversos lugares vêm pra cá pesquisar esse “fenômeno”), mas como falta estômago e coragem pra provar, escolhemos um peixinho à dorê básico mesmo.

Os demais pratos são compostos por camarão, e outros tipos de peixe. Mas segundo os proprietários, as ostras são responsáveis por
50% dos pratos consumidos no restaurante, seguidos pelo camarão. Eles inclusive ficaram passados quando falamos que nunca comemos ostra, e nos ofereceram uma no bafo, para nos “iniciar” neste tipo de gastronomia peculiar, digamos assim. Mas fica pra uma próxima, quem sabe, né? rs


Cantina do Vinho

Confesso que não sou muito fã de vinho. Mas nesse período em que estou aqui, parece que os dias bem frios pedem um bom vinho pra dar uma esquentada. Encontramos o primo do Reuber que mora aqui em Floripa e ele nos levou nesse barzinho.

O lugar é todo diferentezinho; no lugar das mesas,
barris de vinho com banquinhos em volta dão um ar mais aconchegante e intimista para uma conversa entre amigos, regada de um bom vinho. Para comer, porções que vão das tradicionais fritas a bolinhos de carne seca, provolone, entre outras.

Os
preços são bons para as bebidas. Uma dose de whisky 12 anos, que custa em torno de R$ 15 normalmente, lá sai por R$ 9; os vinhos tintos e chopp de vinho, R$ 4,50. É na comida que eles faturam: a porção mista de fritas, mandioca e polenta (pequena, diga-se de passagem), sai por R$ 29.

Essa é a minha contribuição no quesito comilança aqui em
Floripa. Espero que gostem, e se estiverem por aqui, vale a pena conhecer esses lugares. É isso, deixem comentários!

Comentários

  1. ahhh..não acredito que vocês não têm coragem de comer ostra! hahahahaha Eu e o Raphael amaaamos! :)Todo ano tem a Fenaostra aqui em Floripa (http://www.guiafloripa.com.br/festasdeoutubro2010/fenaostra.php3), super legal.

    Adorei o blog, já está na inscrito no meu reader.

    Beijinhos!

    ResponderExcluir
  2. Ah, Pri... Vamos combinar que a aparência da ostra não é das melhores! kkkk
    Mas houve um progresso. Nós fomos almoçar hoje e o Reuber provou umas ao bafo. Até que ele gostou rs
    Obrigada pelo comentário, seja bem-vinda ao blog e leia sempre! rs
    Bjos

    ResponderExcluir
  3. CARALEO, 29 reais a PORÇÃO????? assalto!!! denúncia! rs.
    agora, você bobeou de não ter coragem de experimentar ostra!!! vale a experiência! tem gosto de água do mar rsrs...

    bjoca.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

A intolerância no trânsito de São Paulo

Capitão América: Guerra Civil